Script Brasil

Parrot mostra seus drones na CES 2014

Os drones, aqueles aviões não tripulados muito populares no meio militar, especialmente empregados pelas Forças Armadas dos Estados Unidos e que geram tanta polêmica foram um dos pontos altos da CES desse ano.

A francesa Parrot, uma das maiores e mais famosas empresas especializadas no desenvolvimento e na fabricação desses aparelhos, fez uma série de lançamentos durante o evento de alta tecnologia em Las Vegas.

O que diferenciou os drones da Parrot dos demais foi a diversificação apresentada por eles: há até um modelo feito para crianças e adolescentes brincarem. Esse minidrone pode ser controlado por smartphone e é divertidíssimo, já que apresenta uma capacidade de manobra muito boa. Ele é bem pequeno, podendo ficar na palma da mão.

Equipado com hélices de plástico, justamente para evitar acidentes, o minidrone da Parrot apresenta uma capacidade de equilíbrio excelente, baseada em modelos maiores da fabricante, voltados para fins civis.

Parrot mostra seus drones na CES 2014

O minidrone da Parrot voltado para o público jovem e com finalidades claras de recreação não foi o único grande lançamento apresentado pela fabricante francesa na CES desse ano. Outro que fez muito sucesso foi o seu “bot” (robô) chamado Sumo.

O Sumo é um drone terrestre equipado com duas rodas e com uma câmera poderosa que podem ser controlados por um smartphone, assim como o mini.

Porém, ao contrário de seu “irmãozinho” voador, o Sumo foi desenvolvido para atividades mais sérias, e uma de suas capacidades mais aclamadas foi a de dar pulos diante de obstáculos.

Ao se deparar com um obstáculo em seu caminho, o Sumo é capaz de dar esses pulos e continuar se movendo. Ele também é capaz de mudar seu trajeto em até 90 graus, evitando desse modo as colisões.

Outro fator que chama a atenção é que o Sumo apresenta uma capacidade de resistência impressionante para o seu tamanho, já que ele é capaz de cair de uma altura de até 80 centímetros sem sofrer dano algum.

Segundo a Parrot, tanto o minidrone recreativo, quanto o “bot” terrestre saltador Sumo, não têm previsão de chegada ao mercado consumidor. Ainda não há data para o lançamento comercial dos dois e também não foi definido um preço para nenhum deles.

Muito provavelmente eles não custarão barato, mas com tantos requisitos interessantes, é bem factível que ambos acabem fazendo muito sucesso, especialmente o mini, que tem como público alvo os adolescentes e as crianças antenadas e endinheiradas. Prepare-se para vê-los voando pelos parques do mundo. 

Postado em - Atualizado .


Pela Web

Comentários